Terça, 29 de Setembro de 2020 03:29
Polícia BAHIA

Paciente é morto com 12 tiros durante transferência em ambulância na Bahia.

Homem estava indo de Canavieiras para Ilhéus.

28/02/2020 02h41
373
Por: Redacao
Paciente é morto com 12 tiros durante transferência em ambulância na Bahia.

Um traficante de 23 anos foi morto com 12 tiros na BA-018, nesta quarta-feira (26), enquanto era transferido em uma ambulância da cidade de Canavieiras para Ilhéus, no sul da Bahia. Ele foi atacado com uma pistola 380.

Clebys Martins da SIilva, conhecido como “Negueba”, tinha três passagens pela polícia por tráfico de drogas e uma por latrocínio (roubo seguido de morte) contra um mototaxista, quando ainda era adolescente, em junho de 2015 – este crime gerou revolta na população, que incendiou ônibus e apedrejou a delegacia.

Segundo a Polícia Civil, Negueba foi morto por quatro homens encapuzados que estavam em um veículo branco, estacionado a cerca de 20 km da cidade, onde há lombadas que obrigam o condutor a reduzir a velocidade.

Na ambulância, além de Negueba, estavam o motorista, uma enfermeira e a mãe do traficante, Selma Martins, 62, que ainda tentou evitar que o filho fosse morto, mas acabou levando um tiro na mão direita para que saísse da frente.

Horas antes de ser morto, o traficante também foi vítima de tentativa de homicídio. Ele levou um tiro na mão esquerda nas proximidades da casa onde morava no bairro Sócrates N, zona periférico da cidade de 31 mil habitantes.

No Hospital Municipal Régis Pacheco, em Canavieiras, o médico de plantão avaliou que Negueba precisava passar por uma cirurgia ortopédica e o encaminhou para o Hospital Regional da Costa do Cacau, em Ilhéus.

Segundo a polícia, antes de ser baleado na mão o traficante foi visto vendendo drogas na entrada da cidade e foi em casa buscar mais entorpecentes para comercializá-los, quando foi atingido por um pedestre não identificado.

A provável motivação do homicídio é que Negueba tinha dívidas com traficantes. “Ficamos sabendo que ele vendia a droga e não repassava o dinheiro aos fornecedores”, disse o delegado Renato Fernandes Ribeiro, de Canavieiras.

Segundo o delegado, ao menos um participante do crime já identificado. “Obtivemos a informação de que tinha um homem no hospital monitorando a situação, provavelmente ele sabia da transferência e montou a emboscada”, contou.

No carro usado pelos homicidas de Negueba estava ainda um motorista. Ninguém foi identificado até o momento. Por enquanto, a polícia descarta que Negueba tenha sido morto por vingança pelo assassinato do mototaxista em 2015.

Na época, Negueba e outro adolescente levaram a vítima para um uma área de mangue, o amarraram numa árvore e deram um tiro na cabeça, por trás. Depois, usaram a moto para cometer um assalto em um mercado.

Apreendidos, eles confessaram o crime e Negueba foi transferido para a Casa de Acolhimento Socioeducativo (Case), em Salvador, onde ficou até os 21 anos. Na volta para Canavieiras, passou a traficar drogas, segundo a polícia.

“Não tem um mês que ele foi preso por mim, pela terceira vez, por tráfico de drogas. Já tinha representado pela prisão preventiva dele, inclusive, porque um cidadão como ele não tinha como estar solto na sociedade”, disse o delegado.

Ele1 - Criar site de notícias